Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Esférico

Página independente de apoio ao Sporting Clube de Portugal. Opinião * Sátira * Análise * Acima do Sporting Mais Sporting

Página independente de apoio ao Sporting Clube de Portugal. Opinião * Sátira * Análise * Acima do Sporting Mais Sporting

O Esférico

11
Jul20

Desencalhados // Sporting 1 Santa Clara 0

O Esférico

sportingsantaclara.jpg

 

A nobre arte de desencalhar um carro de terras lamacentas constitui uma das tarefas mais ingratas do mundo. Exige mãos firmes, paciência, uma destreza peculiar na arte da guinada e um sentido de timing apurado. O pânico é contraproducente. A aceleração febril agudiza o problema.

O Sporting — muito por sua conta e risco — permitiu-se atolar-se num lamaçal futebolístico em Moreira de Cónegos. Cabia-lhe ontem a sempre dura tarefa de desencalhar-se desse percalço sem cair nos esbaforidos desesperos que, muitas vezes, em Alvalade, transformam um problema pontual num aluimento geral. (Quantas vezes no melhor registo não cai a nódoa dum deslize, seguido de outro, e depois de outro, até que, quando damos por nós, já só nos resta acenar a bandeirinha branca da rendição?)

Não, contrariar essa tendência — sobretudo no SCP — não é para gente fraca. Razão pela qual não dou grande importância à exibição questionável — mais uma — da equipa, e toda a importância aos 3 pontos.

Sem dramatismos, e em correcto tom, Amorim voltou a ir ao baile com o mesmo saiote híbrido em 3-5-3, apostando no foco colectivo em torno dum sistema que tem gerado os seus resultados, em detrimento de movimentos bruscos que pudessem agravar qualquer inquietude interna. Não discordo da teoria. Mas o desenvolvimento deste regime continua a suscitar as suas questões em campo, nomeadamente na forma como coloca uma preponderância arriscada em Coates na primeira fase de construção, ao mesmo tempo que encurta as opções de saída da equipa, algo que João Henriques, treinador do Santa Clara, soube capitalizar desde o início.

Seja com um adversário em pressão alta (Santa Clara), ou um adversário em pressão baixa (Moreirense), o efeito prático deste esquema parece estar na diminuição da dinâmica colectiva, muitas vezes reduzida a verticalizações inconsequentes ou à horizontalidade estéril da posse à retaguarda. Ainda assim, o brilhantismo do primeiro toque de Wendel oferece muitas vezes um bálsamo precioso que activa sectores, do mesmo modo que as investidas de Ristosvki (um dos melhores) e Nuno Mendes dão aqui um complemento que une a lógica do 3-5-3 em redor dum propósito mais promissor.

Houve momentos de bom entendimento, sim, embora não com a regularidade adequada. Porém, se ofensivamente o sistema levanta dúvidas, defensivamente os números não mentem, com o Sporting a sofrer apenas 4 golos nos últimos 8 jogos. Por isso, o que o ataque (ainda) não esclarece, a defesa torna claro, e assim pavimenta a solidez que depois permite à juventude dianteira tentar as vezes que quiser, até desencalhar o resultado.

Não obstante, a regra geral tem sido a má definição no último passe ou no remate. Disto também tem padecido Sporar — como vítima e culpado. Convém relembrar que, pese embora o voluntarismo do esloveno, é na sua ineficácia que tem residido o seu maior pecado, com uma falta de acerto que estende até às poucas oportunidades que tem. Tudo isto é compensado pelas exibições consistentes de Ristovski, Wendel, Quaresma ou Coates, às quais se junta a habitual estrelinha de Jovane, a quem coube protagonizar o golpe de lince que o levou a adiantar-se à savana defensiva dos açorianos para abençoar a bola de efeitos práticos na busca de um sentido de vida. No fim, a vitória assenta-nos bem.

P.S.: daqui a uns dias, então, marcamos encontro no Porto. Um jogo difícil, mas onde antecipo uma atitude competitiva e enérgica do Sporting — pelo menos até onde a inexperiência lhe permitir. Conto divertir-me à grande, independentemente do resultado.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D