Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Esférico

Página independente de apoio ao Sporting Clube de Portugal. Opinião * Sátira * Análise * Acima do Sporting Mais Sporting

Página independente de apoio ao Sporting Clube de Portugal. Opinião * Sátira * Análise * Acima do Sporting Mais Sporting

O Esférico

02
Jul20

Acendam As Velas // Sporting 2 Gil Vicente 1

O Esférico

106502326_10157033369496555_3176942620470425165_o.

 

Começam a avolumar-se os indícios de que, à septuagésima tentativa, Frederico Varandas terá finalmente acertado no treinador. Evidentemente, desembolsou um valor obsceno por ele. Mas quanto cada um de nós pagaria por um gato falante que aterra sempre em pé? Pois, nesta altura, Amorim parece ter imposto uma linguagem felina no seio do plantel que toda a gente entende.

Ultrapassada parece estar a rigidez mórbida dos tempos de Silas, ou a anárquica bonomia celebrizada por Keizer. Há uma nova elasticidade em voga e a sensação de que a equipa encarna várias dimensões para o mesmo fim. Olho para este Sporting e mal o reconheço. Olho para ele com a mesma admiração com que olhava para o veterano da turma, repetente de sábias andanças que parecia sempre recorrer ao melhor calão, aos melhores trejeitos, a afinidades inalcançáveis (todo o gesto que intentava parecia condenado ao insucesso e, no entanto, quando surgia do outro lado da mandriagem, dez piruetas depois, aterrava perfeito, enlaçado num sorriso confiante). De que outro modo podemos explicar esta recorrência de sucessos com a presença em campo, ora indiferente, ora desastrosa, de alguém como Borja? Quatro cambalhotas depois, aterramos em pé...

Agora, se somente Frederico Varandas acertasse em três ou quatro contratações de enfiada, este Sporting estaria pronto para liderar uma corrida pelo título já na próxima época. Pois, ironicamente, a vinda de Amorim não é só alívio para Varandas, é também a repudiação de Varandas. Repudiação, mais concretamente, pela forma anedótica como gizou a equipa para 19/20. Senão vejamos: o clube contratou nove jogadores para esta temporada. Porém, desses nove, apenas dois entraram no onze titular de ontem. Há uns dias, frente ao Belenenses, nem isso: apenas Sporar.

Amorim, claramente, não tem uma ideia muito positiva sobre os esforços da SAD anteriores à sua chegada. Ontem estrearam-se mais dois miúdos: Tiago Tomás e Joelson. Com similar descaramento, Amorim parece propor soluções, jogo após jogo, que todos os outros antes dele garantiam não existirem. E duas vidas opostas parecem coabitar em Alvalade neste momento: uma nova, que veio para ficar, e uma antiga, que será descartada. É este o espelho impiedoso que Amorim trouxe consigo, e montou no centro do relvado, apontado para as cúpulas dirigentes do 2º anel. Maior descaramento do que este só se a Belle Dominique aparecesse a dançar ao som de Jimmy Somerville numa marcha da extrema-direita.

P.S.: ao passo que jogadores como Plata, Jovane e Quaresma têm aproveitado cada momento para fincarem a sua bandeira em terras do futuro, outros, como Sporar ou Camacho, não têm conseguido acompanhar esta ascensão colectiva. Ultimamente, o esloveno parece desligado da equipa, alheio aos processos, desavindo com os timings de passe e remate. Mas, neste caso, poderemos estar a falar de uma provisória consequência das mutações tácticas de uma equipa à procura de si... Já no caso de Camacho, comparo o seu rendimento a alguém que tenta enfiar o mundo inteiro no buraco de uma agulha. Precipitado, forçado, atabalhoado — seja a jogar mais à frente ou mais atrás, tardo em perceber o motivo da sua aquisição.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D