Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Esférico

Página independente de apoio ao Sporting Clube de Portugal. Opinião * Sátira * Análise * Acima do Sporting Mais Sporting

Página independente de apoio ao Sporting Clube de Portugal. Opinião * Sátira * Análise * Acima do Sporting Mais Sporting

O Esférico

07
Jul20

Fake Football // Moreirense 0 Sporting 0

O Esférico

Moreirense-0-0-Sporting-__AU1I1342.jpg

Ali por volta do minuto 50-e-troca-o-passo, Ricardo Soares, técnico do Moreirense, é subitamente acometido por uma onda de espasmos dilacerantes, reminiscentes da era dourada da revista à portuguesa. Acto contínuo, Pasinato, a 2ª peça neste dominó de dói-dóis, cai por terra, atingido por aquilo que, à primeira vista, poderia ser um caso tórrido de lombrigas ou cólicas oculares contraídas no decurso da observação do seu treinador. Por ali rebolou, impúbere, sonoro e lacrimejante, até que o árbitro dele se apiedou e ordenou a entrada das enfermeiras de serviço. Note-se que este tipo de comportamento é, por cá, analisado com a mesma bonomia com que se aceita que grupos de pelintras se empoleirem nas grades a cuspir para cima de jogadores e árbitros. "Faz parte", "é feio, mas inteligente", "são coisas do futebol", são apenas alguns epítetos com que, em Portugal, se celebra a arte do engano.

O Sporting, porém, também tem a sua própria versão do ofício. Não vem com a mesma plebeia boçalidade de outros, mas sim pela pluma estilística de escribas engravatados, conforme aos pergaminhos aristocráticos do clube. Se Pasinato rebola pela relva, o Sporting rebola por comunicados e contra-comunicados sobre o que o árbitro fez ou deixou de fazer. Chama-se a isto "quem não chora não mama". O Porto fá-lo. O Benfica fá-lo. O Braga fá-lo. E o Sporting também quer mamar — embora não goste de admiti-lo.

Porém, a realidade, para quem tiver estômago para tal, é mais agreste do que esta versão ficcionada dos eventos. O Sporting não ganhou o jogo porque não mereceu ganhá-lo. Nunca foi uma equipa lúcida, lesta ou dominante. A competência — quando a houve — reverteu para rodinhas de complacência onde a bola bocejava de jogador para jogador, empapada, triste e roliça — desconsiderada pelo abjecto espectáculo de ninguém saber onde ficava a baliza adversária.

O preço da juventude paga-se quando a finalidade do jogo é confundida com infinitos processos intermédios. E o maior truque que o Moreirense fez foi entregar a bola a um conjunto que não sabe reconhecer o seu potencial destruidor. Sem uma referência na área, torna-se ainda mais difícil focar aquelas cabeças jovens, agora que Sporar passou a personificar em campo a angústia paralisante das pinturas de Munch. E se na 1ª parte o problema foi a ligação entre a defesa e o ataque, na 2ª foi a desconsideração por jogadores como Jovane ou Plata, por cujos pés passaram os poucos momentos de repentismo de que a equipa dispôs, antes de finalmente se render, nos minutos finais, a uma salva de equívocos e passes estrábicos.

Tudo isto faz parte do processo de crescimento. Não estou deprimido, nem tenho que estar. Aliás, estou até confiante. Para o futuro. Amorim chegou e apontou logo uma mão-cheia de soluções que outros nunca ousaram descortinar. Os resultados melhoraram. As exibições também. Mas isso não altera o facto de que lhe atiraram para o colo um ramo de cartas imberbes — quando não inócuas —, para quem o menor grão de maturidade pode representar um embaraço sem igual.

Assim, hoje, a nação leonina entretém-se a mediocrizar-se com lances de arbitragem. Rebola-se nas fofas pastagens da desculpabilização. Talvez isso doa menos do que confrontar a evidência de que tivemos uma vantagem numérica que durou 45' e nunca soubemos o que fazer com ela.

Mais sobre mim

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D